Arquivos do Blog

Homenagem ao Professor Pethö Sandor

Sábado último, dia 28/04/12, prestou-se  uma singela e emocionante homenagem ao Prof. Pethö  Sandor, na PUCSP.
Foi uma grande alegria estar presente a este encontro. Ocasião de rever amigas e amigos, colegas de longa data, que tem em comum não apenas a formação profissional recebida deste grande mestre, mas também uma determinada postura diante da vida e no trato com a Psicologia e sua prática. Esta postura:

  •    considera o ser humano em sua inteireza
  •    tem uma visão integral da saúde que inclui corpo, alma (ou psique) e espírito
  •    tem uma visão holística do estar no mundo que inclui a consciência social e ambiental de forma universal.

O Prof. Sandor nos ensinou a tocar o outro e ser receptivo ao seu toque.
Ele nos ensinou a tocar e ser tocado, tanto no sentido literal da palavra -criador que foi de uma linha de trabalho em psicologia que integra as técnicas de Abordagem Corporal à Psicoterapia de base Junguiana  (C. G. Jung) –  como no sentido mais amplo do termo: viver com a alma, tocando profundamente a alma do outro, e ao mesmo tempo se deixando tocar, sem medo ou resistências indevidas, pelas outras pessoas e pelo mundo à nossa volta

Nesta homenagem, os  antigos alunos de Sandor foram convidados a apresentar em posters o fruto de seus estudos, trabalhos clínicos e intervenções.
Estive presente com 3 posters:
O 1º apresenta uma Monografia sobre o Método da Calatonia

O 2º pôster apresenta o trabalho no Espaço Animarte, trabalho que nos últimos anos, veio se somar à minha atuação como Psicoterapeuta em consultório.


O 3º pôster, trata de uma pesquisa acadêmica realizada pelo Grupo de Pesquisas Khalaó do qual fiz parte.


A apresentação destes posters, foi uma forma de expressar ao mestre a nossa gratidão, na forma de uma pequena retribuição.

 

Se algum visitante deste blog tiver dificuldade em ler os posters, deixe um comentário para que eu possa enviá-lo diretamente para seu email.

 

Querido Mestre

Conheci o prof. Pethö Sandor em 1971 na PUCSP.
Ele era professor de uma disciplina de Psicologia Profunda no 2º ano do Curso de Graduação em Psicologia.
Eu, jovem de 18 anos, fui sua aplicada aluna.
Em suas aulas entrei em contato com a Psicologia Analítica de C. G. Jung – paixão à 1ª vista (ou, melhor dizendo, à 1ª leitura), que se consolidou como um amor de vida inteira!
Foi um grande privilégio conhecer o prof. Sandor tão cedo em minha vida. Permaneci ao seu lado pelos próximos 20 anos, bebendo desta fonte aparentemente inesgotável de conhecimentos teóricos e sabedoria de vida.
O que aprendi com Sandor nos inúmeros grupos de estudo, no curso de Cinesiologia Psicológica (o meu durou quase 4 anos!) e nos grupos de supervisão e meditação dos quais participei, constituiu-se na sólida base de conhecimentos relativos à Psicologia Profunda, Psicologia Analítica de Jung, Fisiologia e Anatomia Humana, Psicossomática, Técnicas de Abordagem Corporal e Relaxamento, Anatomia Sutil e Espiritualidade que formaram a estrutura e deram o enquadre à toda a minha atuação profissional como Psicóloga Clínica.

Isto já é muito! Mas, acreditem, houve mais…
Por tê-lo conhecido tão jovem, ele teve uma enorme influência na formação do meu caráter, da minha personalidade e da minha conduta na vida profissional e também pessoal.
Que influência melhor eu poderia desejar? Um homem maduro, culto e íntegro.  Com  grande profundidade e amplitude  intelectual e que expressava em todos os seus gestos e atitudes aquela simplicidade verdadeira que só nos grandes homens costumamos encontrar.
Por isto digo: mais do que um professor, Sandor para mim foi um Mestre.
Já no final dos anos 80 tive um sonho. Um daqueles “grandes”  sonhos, que reorientam a nossa vida, e dos quais vamos sempre nos lembrar:
“…uma criança sofria uma parada respiratória e era necessário proceder à algumas manobras corporais (ràpidamente, é claro!) para que ela pudesse voltar a respirar. Eu sabia como fazê-las – já havia feito isto em uma outra ocasião, em minha vida desperta -.Mas, em vez de procedê-las, saí em busca do Sandor para que ele pudesse realizá-las. Quando finalmente o encontrei e voltamos até a criança, ela não mais vivia!”
Acordei sentada na cama, gritando e chorando intensamente.
Imediatamente compreendi que o inconsciente dramàticamente me alertava: ou eu assumia a responsabilidade e os riscos de fazer aquilo que eu já era capaz de fazer, ou uma preciosa vida poderia para sempre se perder.

“Tempo de deixar a proteção e o aconchego da Casa Paterna”

Pedi uma entrevista ao Sandor, contei-lhe o sonho e a minha decisão de me afastar dos grupos de estudo e de seus ensinamentos.
Entreguei a ele um singelo poema onde expressava minha gratidão por tudo o que ele havia sido para mim e também, sinceramente, a minha insegurança diante de um caminho sem a sua proteção!
Sandor abençoou a minha partida: “Malu, quando quiser nos visitar, será sempre bem vinda!”
Já ouvi dizer que “é na separação que se conhecem as almas”. Também neste momento Sandor foi econômico de palavras e generoso na atitude.
Bem… 20 anos se passaram desde este momento em que finalmente ouvi e atendi o chamado da minha alma. O “chamado da aventura” como diria Joseph Campbell.
Pelas “terras” novas e desconhecidas por onde andei, “desertos” que atravessei, “praias”  onde cheguei, trazia sempre comigo um cantil de água pura: presente do Mestre.
Neste meu caminhar, pude  contar sempre com um esqueleto forte (a sólida formação que dele recebi), que recheei com novas e férteis carnes: conhecimentos, vivências e buscas que são o meu caminho pessoal e que são bastante diferentes das buscas e caminhos de meu Mestre.
Neste mês de abril de 2012, quando os alunos de Sandor, entre os quais me incluo,  preparam uma merecida homenagem a ele na PUCSP, quero prestar  também esta homenagem, pessoal e íntima, que mais uma vez expressa meu reconhecimento, admiração e gratidão ao Mestre do meu coração.

ORAÇÃO CELTA
Profunda paz da água para ti.
Profunda paz do ar fluido para ti.
Profunda paz da terra para ti.
Profunda paz das brilhantes estrelas para ti.
Profunda paz, oh Filho da Paz, para ti.